7 Dicas Fotografia De La Citro N C3 Aircross

Concurso de 15 anos Como vender álbuns de vista

Embora as primeiras estimativas sombrias se reconsiderassem, não significa em tudo o que o problema não está presente. Ficou claro um tanto que não há perigo imediato sério. Mesmo a maior parte de estimativas de optimistical predizem ao nível moderno da emissão de HFU na atmosfera violações biosféricas sérias na segunda metade do XXI século, por isso, para reduzir o uso de HFU no antigo é necessário.

Realmente, o nosso planeta nunca se expôs a tais trabalhos extraordinários físicos e políticos o que testa em um limite de XX – os XXI séculos antes. A pessoa nunca levantou antes tanto tributo da natureza e não foi tão vulnerável antes do poder que também criou.

Ozônio – o gás ativo também pode tocar adversamente a pessoa. Normalmente a sua concentração na atmosfera mais baixa é insignificante e não tem efeito adverso à pessoa. Os grandes montantes do ozônio formam-se nas grandes cidades com o tráfego pesado do transporte motor em consequência de transformações fotoquímicas de gases de escape de carros.

Provavelmente nisto a ciência internacional esgota-se no bip acerca do futuro calor mesozóico. Por causa dele faltamos ao perigo muito mais sério unido com a destruição de uma camada de ozônio. E o nosso país deve pagar por ele mais, ao que parece.

Temos de saber tudo sobre o mundo que nos rodeia. E, tendo trazido um pé do seguinte passo, é necessário olhar atentamente onde virá. Os abismos e os lodaçais fenny de falhas fatais não desculpam à humanidade de vida irrefletida mais.

Muitos pesquisadores consideram que as nuvens estratosféricas polares têm o impacto no processo da destruição do ozônio. Estas nuvens de muitos andares que muito mais muitas vezes se observam sobre o Antártico, do que sobre o círculo ártico, formam-se no inverno quando a ausência de uma luz solar e nas condições da isolação meteorológica da temperatura de Antárctica em uma estratosfera cai mais baixo do que-80 °. É possível supor que os compostos do nitrogênio se condensem, se congelem e permaneçam ligados com partículas nubladas e por isso perdem a oportunidade de reagir com o cloro. É também possível que as partículas nubladas sejam capazes para catalisar desintegração do ozônio e tanques do cloro.

O ozônio, também, regula a inflexibilidade da radiação espacial. Se este gás pelo menos se destruir parcialmente, que, naturalmente a inflexibilidade da radiação agudamente aumenta, e, por isso, há verdadeiras modificações de uma vida de plantas e animais.

Segundo os doutores, cada por cento de ozônio perdidos em escalas das causas de planeta a 150 mil casos adicionais de uma cegueira por causa de uma catarata, a quantidade de doenças de cancro de aumentos de pele em 2,6 por cento, o número das doenças causadas enfraquecendo-se do sistema imune da pessoa consideravelmente aumenta. Os habitantes do hemisfério do norte com a pele leve são sujeitos ao maior risco. Mas sofra não só pessoas. A radiação de UF-V, por exemplo, é extremamente perigosa para um plancto, whitebaits, camarões, caranguejos, a alga marinha que vive de uma superfície oceânica.

A destruição do ozônio acontece por causa da influência de radiação ultravioleta, raios espaciais, alguns gases: compostos de nitrogênio, cloro e bromo, ftorkhloruglerod (freon. A atividade da pessoa que leva à destruição de uma camada de ozônio causa o maior alarma. Por isso, muitos países assinaram o acordo internacional que fornece redução da produção de substâncias esvaziam o ozônio. Contudo a camada de ozônio destrói-se pelo avião também de jato e algum lançamento de foguetes espaciais.

Naturalmente, a perspectiva do novo aquecimento do clima existe, e o risco da emergência de processos aversos deve considerar-se. Mas é necessário reconhecer um razdutost óbvio de um problema acerca de um papel de gases do efeito estufa, especialmente em relação a com E aqui em relação ao ozônio a situação é oposta

A camada de ozônio é surpreendentemente fina. Se concentrar este gás na superfície Terrestre, formaria um filme de só 2-4 mm de espessura (pelo menos – perto do equador, no máximo – em um pólo. Contudo e este filme confiantemente protege nós, raios ultravioletas perigosos quase completamente absorventes. Sem ele a vida só permaneceria em profundidades de águas (mais profunda do que 10 m) e naquelas camadas da terra onde a radiação solar não vem.